Ficas - Compartilhando conhecimentos, transformando pessoas e organizações

Compartilhando conhecimentos, transformando pessoas e organizações

FICAS em Ação nº 75 - Maio/Junho 2019

Instituto C&A é novo parceiro de programa de fortalecimento de migrantes
A instituição veio somar esforços ao lado da Fundação Avina no apoio a mulheres e coletivos de migrantes, em São Paulo.

Depois de chegar com tudo em 2018, o tema da migração segue forte neste ano na atuação do FICAS. O Programa de Formação de Coletivos de Migrantes, que vinha sendo realizado em parceria com a Fundação Avina e a Missão Paz, em São Paulo, agora também conta com a parceria do Instituto C&A.

Neste segundo ano, o programa está centrado no fortalecimento de dois grupos de mulheres, a maioria bolivianas, que trabalham com costura. Um dos grupos participou da formação em 2018 e está fortalecendo sua atuação nas comunidades, ou seja, multiplicando as aprendizagens que tiveram na formação para outras mulheres nos bairros onde moram.

Com a chegada do Instituto C&A, o programa planeja realizar também ações em uma comunidade com um número elevado de oficinas de costura, no intuito de aproximar migrantes com os equipamentos públicos e comunitários, além de  ‘Espirais de Conversa’ para colocar essa temática na pauta, gerando diálogos entre diferentes atores sociais.

Os encontros dos dois grupos de mulheres estão sendo realizados na sede do FICAS entre os meses de fevereiro a outubro, quinzenalmente, com duração de oito horas e acontecem aos domingos, respeitando a rotina de trabalho das participantes. Dentre os temas trabalhados estão: confiança, liderança, direitos e benefícios, identidade, mobilização social, entre outros.

Para além do Programa
O FICAS também está acompanhando mais de perto o Programa Migração Laboral da Fundação Avina e o trabalho de organizações com ações de advocacy nas políticas públicas. No final de março, Andreia Saul, coordenadora executiva do FICAS, e Paola Marinoni, colaboradora do FICAS nessa temática, participaram da Oficina de Monitoramento e Reflexão, realizada em Brasília (DF), onde puderam conhecer melhor alguns projetos apoiados pela fundação e contribuir na construção coletiva das estratégias do programa.

Já entre os dias 10 e 12 de abril, foi a vez da consultora Raquel Catalani viajar para representar o FICAS em Cuernavaca, no México, para participar do Encuentro de Articulación Internacional entre organizaciones de Migrantes y Pro-Migrantes. Raquel é uma das facilitadoras do Programa de Formação de Coletivos de Migrantes desde o início.

> Saiba mais sobre os parceiros Fundação Avina, Instituto C&A e Missão Paz.
> Veja como foi o Encontro de Articulação Internacional no México.

(Foto: Raquel Catalani/FICAS)

APOIE OS PROGRAMAS FICAS
Fortalecer organizações da sociedade civil, associações comunitárias e coletivos para que compreendam e assumam cada vez mais um papel estratégico nas mudanças sociais é a razão de existir do FICAS. Por meio de uma metodologia que tem a participação, ludicidade e afetividade como principais pilares, os programas trabalham conteúdos que aprimoram a gestão e a atuação desse público, além de estimular a articulação entre os participantes e com outros atores sociais.
Todos os programas são gratuitos para os participantes, por conta disso, precisa de investidores continuamente. Quer ser parceiro do FICAS e agregar sua marca a programas de resultados comprovados? Entre em contato pelos telefones (11) 3045-4313 e 3849-0715 ou pelo e-mail comunicacao@ficas.org.br. Será um prazer tê-lo/a conosco!


FICAS firma parceria com o Instituto Alcoa no campo da avaliação
Depois de cinco edições do Projeto Cambará, o FICAS está à frente de um processo de seleção, monitoramento e apoio técnico a projetos.

No ano de 2019, o FICAS deu início a uma nova parceria com o Instituto Alcoa para estar à frente de um processo de seleção, monitoramento e apoio técnico dos projetos de educação, geração de renda e trabalho, incluindo empreendedorismo, a serem apoiados por seu Programa de Apoio a Projetos Locais. O trabalho tem duração prevista de abril de 2019 a dezembro de 2020 e abrange os territórios de Juruti (PA), São Luís (MA) e Poços de Caldas (MG).

Entre os meses de maio e junho, a equipe FICAS realizou visitas técnicas para o mapeamento de projetos. Com duração de dois dias em cada localidade, as visitas incluíram a realização de entrevistas e a divulgação do processo seletivo que será lançado em julho. Nesse período foi realizada também a reformulação dos instrumentos de seleção dos projetos, que deverão ser implementados. O trabalho consiste em revisar e reformular o edital, a ficha de indicadores de seleção e os materiais de comunicação, como o guia de apoio à elaboração de projetos, entre outros.

O FICAS ainda assessorará os representantes de Relações Comunitárias (RCs) e os Conselhos Consultivos de Relações Comunitárias (CCRCs), formados por representantes da empresa, organizações da sociedade civil, do poder público e de empresas de relacionamento da Alcoa, que apoiarão o processo seletivo. "Durante o período de inscrições, vamos orientar as organizações por e-mail ou telefone sobre o preenchimento da ficha diretamente no sistema da Alcoa, verificar a documentação de cada uma, assessorar os conselhos de cada cidade na seleção dos semifinalistas e preparar o material para o Comitê Técnico e a Diretoria do Instituto Alcoa, que determinarão os finalistas. Em 2020 analisaremos os relatórios quadrimestrais apresentados pelas organizações beneficiadas", conta Marcia Quintino, uma das responsáveis pela parceria dentro do FICAS.

O FICAS e a Alcoa têm trabalhado juntos nos últimos anos, tanto nesta parceria para seleção de projetos, que já havia acontecido em 2015 e 2018, como na realização do Projeto Cambará. A formação, que contou com cinco edições (2014 a 2018) em diversos polos pelo Brasil, tinha como objetivo fortalecer o papel estratégico das organizações da sociedade civil.

> Saiba mais sobre o Instituto Alcoa.


Guia sobre migração está disponível para download gratuito
A produção da publicação, lançada em maio, foi uma parceria entre o IMDH, MigraMundo e FICAS, com apoio da Fundação Avina e do ACNUR.

"Proximidade e familiaridade criam novas percepções e isso nos enriquece". A frase dita por Rosita Milesi, diretora do Instituto Migrações e Direitos Humanos (IMDH), durante o lançamento do "Migrações, Refúgio e Apatridia - Guia para Comunicadores", sinaliza um dos objetivos da publicação. O guia foi lançado na sede do FICAS, em São Paulo, no dia 3 de maio de 2019 e contou com a presença de quase 50 convidados.

Jornalistas, comunicadores independentes, estudantes e representantes de organizações da sociedade civil que trabalham com o tema participaram de uma roda de conversa conduzida por representantes das instituições envolvidas na produção do guia: além de Rosita (IMDH), Rodrigo Delfim (MigraMundo), Andreia Saul (FICAS), Rogenir Costa (Fundação Avina) e Miguel Pachioni (ACNUR, a agência da ONU para refugiados).

Com cerca de 40 páginas, o guia reúne conceitos, referências do setor e recomendação de boas práticas em reportagem, a fim de oferecer uma contribuição à geração de conteúdo e à disseminação de informação sobre migrantes, incentivando a abordagem empática e comprometida com os fatos. Ainda hoje, muitos dos casos de preconceito e violação de direitos em relação a imigrantes são gerados pela falta de informação sobre suas garantias e deveres e sobre o caráter positivo da diversidade cultural que a migração promove.

"Temos a percepção clara de que este instrumento, simples e prático, convida o leitor a buscar mais informações sobre migrações e refúgio, gerando proximidade e familiaridade com o tema e qualificando o debate", afirma Rosita Milesi. "O envolvimento conjunto das instituições que produziram o guia estabeleceu uma rede que sinaliza continuidade, difusão e novas colaborações para aprimorar a comunicação em torno da temática e, acima de tudo, em favor da pessoa do migrante e do refugiado", completa.

"O lançamento foi além das nossas expectativas no tocante à mobilização e aos diálogos entre as organizações participantes, sobre a importância de uma ferramenta como esta e sobre as possibilidade de se ampliar a colaboração, em um futuro próximo, com vistas ao aprimoramento e à ampliação do guia, em uma segunda edição”, adianta Rogenir Costa, coordenadora programática da Fundação Avina no Brasil.

Rodrigo Delfim, do portal MigraMundo e um dos responsáveis pelos textos da publicação, também saiu do encontro com um saldo positivo. "Eu gostei bastante do evento de lançamento! O público marcou presença, lotou a sala e foi muito participativo, o que gerou um debate bem rico sobre o tema. Estamos, inclusive, estudando a possibilidade de novas versões para o guia. Também foi ótimo conhecer tanta gente ligada ao tema da migração", declara.

Além dos exemplares distribuídos aos participantes, a versão digital do "Migrações, Refúgio e Apatridia - Guia para Comunicadores" está disponível para download aqui.

> Conheça os parceiros: ACNUR, Fundação Avina, IMDH e MigraMundo.

(Foto: João Vitor Machado/FICAS)


Conexão Social debate sobre a importância do trabalho em rede
Grupo que surgiu durante o Programa de Formação em Gestão se reuniu este mês na Associação Comunitária Pequeno Príncipe.

"Ninguém solta a mão de ninguém". A frase que viralizou no ambiente digital com a ilustração da tatuadora mineira Thereza Nardelli no final de 2018, diante do novo cenário político, parece seguir inspirando pessoas e movimentos até hoje. Pelo menos é o que se pode dizer dos integrantes do coletivo Conexão Social, que nasceu na mesma época.

O grupo foi formado por parte das organizações da sociedade civil participantes do 14º Programa de Formação em Gestão, promovido pelo FICAS em parceria com a coach integral Paola Marinoni em 2018, a partir do desejo de fortalecimento e união entre as organizações do setor. O grupo está aberto a novos integrantes e recentemente contou com a adesão de um coletivo com foco no meio ambiente.

No dia 21 de maio de 2019, aconteceu o terceiro encontro do Conexão Social na sede de um de seus integrantes, a Associação Comunitária Pequeno Príncipe, em Parelheiros, São Paulo. A reunião foi aberta a convidados, representantes de outras organizações e atores sociais, a fim de reunir forças para seguir costurando o futuro do grupo e ressaltar a importância da atuação em rede.

O encontro contou com uma acolhida cuidadosa por parte das anfitriãs, que também mostraram aos visitantes as instalações e o trabalho desenvolvido pela associação. "Participar do Conexão Social está sendo um aprendizado muito bom, que, inclusive, já nos levou a outras parcerias e despertou outros olhares para dentro da organização. Nossos encontros são sempre produtivos e foi muito gratificante receber o grupo aqui", afirma Ivete Batista, do Pequeno Príncipe.

Na ocasião, também foi apresentada parte dos resultados de uma parceria com o coletivo Sapiência Ambiental, formado por engenheiros e gestores ambientais com a missão de "desenvolver tecnologias para a autonomia e impacto positivo no meio ambiente". Está sendo desenvolvido um projeto de sistema de tratamento de esgoto ecológico para tratar os efluentes gerados na instituição, que atualmente não conta com coleta ou tratamento público.

"A primeira etapa do projeto foi apoiada pelo Fundo Socioambiental Casa e a segunda foi realizada com o montante arrecadado por uma campanha de crowdfunding, que superou a meta de aproximadamente R$ 15 mil através de 78 doadores", conta Ligia Monteiro, uma das integrantes da Sapiência Ambiental. O projeto, que custou um total de R$ 32 mil, está em fase de testes e ajustes finos e deve atingir seu melhor desempenho ao longo do segundo semestre de 2019.

Atualmente fazem parte do Conexão Social: Associação Comunitária Pequeno Príncipe, Associação Comunitária Vida Nova, FICAS, Instituto Melo Cordeiro, Obra Social da Paróquia São Mateus Apóstolo, Samaritano São Francisco de Assis e Sapiência Ambiental.

> Veja fotos do Conexão Social no Facebook do FICAS.

(Foto: João Vitor Machado/FICAS)

O FICAS em Ação é um informativo mensal que reúne notícias sobre os programas, assessorias e ações do FICAS. 
Para receber os informativos por e-mail, escrever para comunicacao@ficas.org.br.
Jornalista responsável: Paula Rodrigues